Inicio do Blog Confira nossas entrevistas Matérias Relacionadas a RAP Break Dance

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Blog Hip-Hop Alagoano entrevista Fantasma [Narração 9-18]


Perguntas elaboradas por Raboo e ZaZo

Leia ouvindo:

Como, quando e o que inspirou a formação do grupo?

Fantasma: Tudo começou em Agosto de 2007 quando eu conheci o DarLan na escola, eu já tinha umas letras escritas desde 2006 entende? Mas não pensava em cantar até então, muito menos em formar um grupo... só que conversando sobre Rap com o DarLan ele me falou que também tinha umas letras, daí juntamos as ideias e aproveitamos um festival de música que estava ocorrendo naquela época e cantamos, lembro que foi um teclado eletrônico e uma bateria que usamos. Inicialmente usamos o nome "Narração Fúnebre", nome esse substituído 3 anos depois por "Narração 9-18". Atualmente a formação do grupo é Fantasma, MD e Darlan.

A principio o grupo tinha o nome de Narração Fúnebre, e a pouco tempo o grupo mudou o nome para Narração 9-18... O que motivou a mudança?

Fantasma: A palavra Fúnebre (relativo à morte) já não é compatível com nossa forma de pensar, como diz RZO: "A evolução é uma coisa". Não foi fácil achar um novo nome, foram dias pensando até que certa noite eu e DarLan conversávamos e tivemos a ideia de usar algo que lembrasse justiça, mas o quê? Livros, revistas, filmes, dicionário, uma pá de coisa consultada, e por último a Bíblia onde no livro de Salmos, capítulo 9;18 encontramos o seguinte: "Porque o necessitado não será esquecido para sempre, nem o sofrimento do pobre será eterno" , pegamos o 9 e o 18 e adaptamos para Narração 9-18.

Como foi o seu 1° contato com o Rap? O que mudou na sua vida desde então?

Fantasma: Meu primeiro contato com o Rap foi em 2001, quando um colega meu (que Deus o tenha) me deu uma fita onde a primeira faixa era Homem na estrada do Racionais Mc's, me identifiquei com a letra e comecei a procurar mais sobre Rap, conheci 509-E, RZO, Ndee Naldinho, Sabotage e nunca mais parei. Pra quem realmente gosta vai perceber que o Rap é bem mais que uma música, é uma filosofia de vida.

Quais as influências musicais do grupo e qual a importância de outros estilos musicais para a formação de vocês?

Fantasma: Minhas influências são várias, grupos de São Paulo e de Alagoas principalmente, e sobre os outros estilos musicais é sempre bom uma pessoa envolvida no Rap conhecer também de música propriamente dita, não apenas se limitar ao seu mundo das rimas, eu sinceramente não tenho muito conhecimento, deveria ter né? Mas não tenho.

Como vocês definem o estilo de Rap’s feito por vocês?

Fantasma: Proporcional aos fatos.

Qual o principal objetivo a ser alcançado com as musicas de vocês?

Fantasma: Eu, Fantasma, gostaria muito que a mensagem das músicas fossem absorvidas com força pela periferia, até mesmo os boy que escuta de repente mudam de pensamento neh, mas não é o que ocorre, apenas uma parcela mínima consegue entender, só que eu não me assusto, já previa isso antes de começar a cantar. Mas nem por isso o Rap perdeu a força, a batalha continua. Além disso, conquistar minha independência financeira através do Rap, um sonho distante, mas não impossível.

Na sua concepção como está atualmente o Rap AL ?

Fantasma: Do ponto de vista musical ta ótimo, a evolução dos grupos é notável, nesse ano de 2010 mesmo foi incrível o estouro que o RAP ALAGOANO teve, todos estão de parabéns. Por outro lado ainda somos vítimas da falta de investimento e recursos, muitos grupos ainda não conseguem produzir suas próprias bases, não tem equipamento de som, essas coisas ta ligado? E fica até meio chato eu falar isso aqui, mas nem todo mundo envolvido no “Rap alagoano” é unido, não vou entrar em detalhes porque não convém. União e Força!! Juntos somos fortes.

Sabemos que o Rap em AL, teve um crescimento considerável, e a cada dia surge um novo grupo... Nesse sentido, a quantidade interfere na qualidade? O que mais pesa pra vocês? A Quantidade ou a Qualidade?

Fantasma: Bom, fico feliz em saber que novos grupos estão surgindo, isso mostra que o público de rap em Alagoas também está crescendo, até porque eles também são ouvintes e comparecem nos eventos, então a quantidade pra mim é válida. E sobre qualidade eu não me vejo na posição de julgar, só espero que quem ta começando leve a parada a sério e não confunda com moda, não faça por IBOPE, coisas desse tipo pois o Rap é capaz de mudar sua vida, como mudou a minha.

Pra quando está previsto o cd do Narração? O que vocês tem de diferencial para apresentar nesse cd? Conte-nos detalhes sobre o cd que está sendo preparado...

Fantasma: Assim como qualquer grupo, nós pretendemos lançar nosso CD, ACHO que 2011 não passa. Falar de datas é difícil porque vamos bater de frente com o problema financeiro, ainda não temos um Studio e um DJ próprio, portanto não vou falar em datas, mas faremos de tudo para que 2011 seja cheio de novidades, uma delas é um clipe feito em parceria com a J.O Produções que sempre chegou junto da gente.

Qual a visão de futuro de vocês para a nossa realidade social atual e a realidade no cenário Rap AL?

Fantasma: Nossa condição social não vai mudar nem tão cedo, nossos governantes “governam” pra uma minoria privilegiada, sendo assim continuamos no estado crítico que Alagoas se encontra, piores índices de educação, segurança, essas coisas básicas que movem uma sociedade aqui é bem pouco e utilizado de forma errada, quem mora nas periferias e depende de serviços públicos sabe do que estou falando. Sem esquecer é claro que a mudança, quero dizer melhoria, não vai acontecer enquanto existir o egoísmo, enquanto uma pessoa se achar no direito de atingir a outra não teremos progresso. E sobre o Rap aqui em Alagoas pode ter certeza que vai crescer, acompanho o Rap Nacional desde 2001 e há uns dois anos o alagoano em especial, afirmo com todas as palavras que nós temos capacidade, vamos torcer para que oportunidades apareçam em igual para os merecedores.


Qual a importância do Rap para a juventude periférica?

Fantasma: Levar um pouco de consciência através da música (Nem sempre isso ocorre, mas a meu ver é isso), lazer também, através dos eventos abertos a comunidade, tudo isso é importante, pois desvia a atenção do jovem para a música.

Sobre a guerra de torcidas organizadas? O que vocês tem a dizer sobre isso? E como o Rap entra nessa questão?

Fantasma: Antes de tudo gostaria de deixar claro que não existe nenhum preconceito da minha parte com pessoas envolvidas em torcidas, até porque eu já tive um certo envolvimento e fiz muitas amizades. Como você citou na pergunta, a guerra das T.O’s existe, mata desde os integrantes até pessoas inocentes. E o mais triste de tudo isso é saber o motivo: simplesmente porque o “rival” torce pra outro time. -.-” Atos de violência tornaram-se comuns no cotidiano de quem faz parte de torcida organizada, alguns até ficam felizes quando alguém da torcida rival morre, postando fotos na internet. O que deveria ser motivo de alegria e festa no futebol acabou se tornando mais um pretexto para violência. E o Rap tem uma forte influência nas T.O’s, muitas músicas feitas fazem apologia à violência e os membros de mente fraca assimilam e colocam em prática, quando na verdade não é bem esse o objetivo do Rap.

Na época da candidatura do Lula, (mais ou menos 8 anos atrás), boa parte do  movimento Hip-Hop Nacional caiu em campo fazendo campanha para o Lula, que prometeu dar uma maior atenção para a Cultura Hip-Hop Nacional. 8 Anos se passaram e houve alguns avanços nesse sentido... Como vocês, falando de modo geral, avaliam esses 2 mandatos do Governo Lula?

Fantasma: Meu conhecimento de política é pouco, mas pelo que sei o Lula foi considerado o maior presidente da história por alguns críticos, podemos até tomá-lo como exemplo, ele veio de origem pobre e conseguiu vencer na vida, com pouco estudo e humildade. Como já é de costume nem sempre os candidatos conseguem realizar tudo que prometeram, vou dar ênfase na área da educação, pois estudei 4 anos na rede federal de ensino e não vi nenhuma melhoria, espero que a candidata que o mesmo indicou para a Nação invista nisso, educação traz emprego, emprego traz melhoria de vida. Uma pessoa educada é uma pessoa menos violenta.

Considerações Finais...

Agradeço pelo convite do blog, parabéns pelo trabalho na divulgação da cultura Hip Hop em Alagoas, são poucos que ainda acreditam nela, e mais poucos ainda os verdadeiros. Sucesso e muita saúde para todos nós.

Salve: Todos os grupos de Rap Alagoano em geral, todos que acompanham o Narração 9-18 e tem respeito pela minha pessoa, Alyne Sakura, Rogério dias e a equipe do Quintal Cultural, Studio QG dus Manos, J.O. Produções, John Flash e pra toda minha quebrada (Cleto Marques Luz), Mala Veia, blog RAP ALAGOANO NA CENA, meus amigos do Egito: Esso, Amreky e Zidan, aos meus amigos do CEFET, minha família e um salve especial para Amanda do Tribunal Feminino, essa menina é quase minha irmã.

Contatos:



Algumas músicas:

Sinopse de um filme triste:
Abaixo do céu:

2 comentários:

Will Grind disse...

Pode crer o Fantasma respondeu bem as perguntas feitas pelo blog. Boa entrevista soube ser neutro, não atacou ninguém com palavras e expôs o seu ponto de vista de seu jeito de ser. Pode crer Parabéns a todos!!!
FLW MANS!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

da hora vei, Narração é mil graus, tamo junto ai Fantasma, BoLIn aki ;)